SEJA BEM-VINDO À NOSSA LOJA!

CONTATO | (11) 4858-1369 | ENTRAR

A Arte da Torra

Produzir café é um verdadeiro desafio para o produtor que precisa arcar com as despesas de maquinários, mão de obra, e ainda, colher café uma vez por ano, se a natureza ajudar! Contudo o preço do café commoditie no Brasil é uma incógnita. Com tantas incertezas pela frente o produtor está investindo cada vez mais em cafés especiais, produto que possui um preço até cinco vezes maior do que o oferecido pelo mercado.

A qualidade do café não depende apenas do barista, tendo em vista que o produto passa pela mão de muitas pessoas até o momento do preparo, uma dessas pessoas é o mestre de torras, profissional que tem uma grande responsabilidade nas mãos, manter a qualidade do sabor do café. O perfil da bebida para os brasileiros sempre foi de um café amargo e de cor escura, isso em função da má qualidade dos grãos e do processo de torra, que é feito com tempo e temperaturas elevadas, mascarando o sabor dos defeitos do grão e apresentando uma bebida queimada, com sabor de fumaça.

Os maquinários de torra estão cada vez mais modernos, possibilitando assim, um controle maior de todo o processo bem como uma repetitividade consistente. Simultaneamente estão surgindo pessoas que estudam e desvendam as complexidades da torra e, já é nítido, que para o café não existe uma “receita” de torra, e não é simplesmente a cor que nos diz se o café está bom ou não! Hoje em dia algumas cafeterias já ousam de torras com menores tempos e temperaturas geralmente apresentando uma bebida mais ácida, aromática e com sabores característicos da sua origem e região.

A mudança no sabor do café exige uma reeducação sensorial para os consumidores que chegam até a confundir a bebida com chá, outro ponto a se destacar é o valor cobrado por um pacote, que pode ser até cinco vezes maior que o de um café tradicional, na qual o grão está praticamente carbonizado.

Deixe um Comentário